Anuncie Aqui

Web Rádio  Raphael Belo Xote

Suspeito de matar Marielle mora em condomínio de Bolsonaro no Rio

Polícia esteve no condomínio onde vive Ronnie Lessa, suspeito de assassinar a vereadora carioca Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. O condomínio é o mesmo onde o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem casa no Rio de Janeiro

O policial reformado foi preso em sua casa, no mesmo condomínio onde Bolsonaro tem 
uma casa, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O delegado Giniton Lopes, da Delegacia de Homicídios, afirmou que não há qualquer relação entre Bolsonaro e o crime.  O condomínio Vivendas Barras tem pelo menos 50 casas e fica localizado em uma avenida na orla da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. Os imóveis à venda no local variam de R$ 1,5 milhão a R$ 4,5 milhões, e têm entre três a cinco quartos. O aluguel no local costuma variar entre R$ 5 mil a R$ 10 mil. 

Lessa foi homenageado na Alerj em 1998, quando recebeu moção de congratulações, aplausos e de louvor a pedido do deputado estadual Pedro Fernandes Filho (então no PFL, atual DEM). O policial reformado era, na época, lotado no 9º BPM, em Rocha Miranda, na zona norte do Rio. O parlamentar justificou a homenagem pela forma como o militar "vem pautando sua vida profissional". "Sem nenhum constrangimento posso afirmar que o referido militar é digno desta homenagem por honrar, permanentemente, com suas posturas, atitudes e desempenho profissional, a sua condição humana e de militar discreto mas eficaz. Constituindo-se, deste modo, em brilhante exemplo àqueles com quem convive e com àqueles que passam a conhecê-lo", o então deputado na época. 

Pedro Fernandes Filho foi eleito deputado estadual pela primeira vez em 1962, conseguiu a reeleição outras nove vezes e morreu em 2005. Ele é pai de Rosa Fernandes (MDB-RJ), vereadora do Rio que está no sétimo mandato consecutivo. Rosa Fernandes foi a quarta vereadora mais votada em 2016, com 57.868 votos, ficando logo à frente de Marielle Franco, que recebeu 46.502 votos. Ela é mãe de Pedro Fernandes Neto, que atualmente é secretário estadual de Educação do governo de Wilson Witzel e foi candidato ao governo do Rio em 2018 pelo PDT.

QUEM É RONNIE LESSA?


O policial militar reformado Ronnie Lessa, suspeito de ter efetuado os disparos que assassinaram a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes

Ronnie Lessa chegou na Polícia Militar do Rio em 1992 onde passou a maior parte do tempo lotado no 9º BPM (Rocha Miranda). Posteriormente o policial reformado foi cedido para o quadro da Polícia Civil, no qual se consolidou como um elogiado atirador e passou a ser homem de confiança do contraventor Rogério Andrade. Em 2010, uma bomba no carro de Andrade vitimou o filho dele, Diogo Andrade, na época com 17 anos. Lessa já havia perdido uma das pernas em um atentado semelhante na zona norte do Rio. O agente teria tentado deixar o veículo, mas ficou preso no cinto de segurança. 


ÉLCIO QUEIROZ EXPULSO DA P M

Suspeito de ser o motorista do carro usado no crime, o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz foi expulso da corporação por fazer segurança ilegal em uma casa de jogos de azar no Rio de Janeiro. Para a Polícia Civil e o MP do Rio, Elcio Queiroz dirigia o Cobalt prata usado no crime. Lessa e Queiroz foram denunciados pelo MP por duplo homicídio qualificado. Elcio Queiroz foi um dos 43 denunciados pela Operação Guilhotina, deflagrada em fevereiro de 2011 pela Polícia Federal. A investigação revelou um esquema de corrupção policial que incluía a venda de informações sobre operações e de espólio de guerra do tráfico, além do serviço ilegal de vigilância. De acordo com a denúncia do MP do Rio, Queiroz fazia parte um grupo de 13 pessoas que atuava como segurança em casas de jogos de azar nos bairros de Bonsucesso, Barra do Guaratiba e Botafogo. À época, ele estava lotado no 16º Batalhão da PM (Olaria). Em 2016, a Corregedoria Geral Unificada da Secretaria da Segurança Pública decidiu expulsar Élcio e pelo menos outros sete PMs da corporação.


Tecnologia do Blogger.